Home office e o futuro do mercado de trabalho

Por Beatriz Franco, coordenadora de comunicação da Hippo Business

Mais tempo livre, menos gastos, liberdade para estar onde quiser, proximidade com a família e um dia a dia mais produtivo. Pareceu uma rotina utópica para você? Pois, acredite, nos dias de hoje, isso não precisa mais ser um sonho. Tudo isso começa a virar realidade no Brasil por meio da adesão do home office pelas empresas.

Ainda visto com certa estranheza e preconceito, o trabalho remoto vem tornando-se prática mais comum em diversas empresas no Brasil – a Hippo Business é uma delas. Entre as principais razões de resistência inicial dos líderes estão a falta de confiança no comprometimento da equipe, a dificuldade em abrir mão do controle total do dia a dia do negócio e a falta de segurança com dados confidenciais.

Todos esses receios podem ser superados com investimento em tecnologia e acompanhamento diário. Ao contrário do que a concepção popular parece definir, uma pesquisa patrocinada pela Dell comprovou que 54% dos brasileiros consideram-se mais produtivos trabalhando em casa, sendo que 49% deles sentem-se menos estressados diariamente. Pensando que o tempo gasto no trânsito para ir ao trabalho é de, em média, 46 minutos em São Paulo e 52 minutos no Rio de Janeiro, é de se imaginar que quando você reduz esse tempo e energia gastos, sobra mais ânimo para começar o dia de trabalho, executando as atividades de maneira melhor e mais produtiva.

Além disso, outra vantagem que muitas vezes as empresas não enxergam é a redução de custos, já que o profissional não se locomove diariamente, alimenta-se em casa e não demanda gastos com aluguel de escritórios físicos, por exemplo.

Trabalhar de casa não significa necessariamente estar isolado e sem controle dos líderes. Aqui mesmo na Hippo, estamos em endereços diferentes, cidades diferentes e muitas vezes países diferentes e, ainda assim, nos comunicamos com agilidade. A tecnologia é a melhor aliada para isso. E-mails, calendários compartilhados, whatsapp, Skype, sistema de gerenciamento online, são todas ferramentas que servem como grandes beneficiadoras da produtividade de uma empresa que trabalhe pelo modelo home office.

É claro que esse formato demanda uma disciplina maior – do profissional e da família – para evitar distrações e perdas de tempo. No entanto, boa parte das pessoas afirma que consegue se concentrar muito mais trabalhando de casa, já que evitam as conversas paralelas e ligações inoportunas que costumam ocorrer nos escritórios.

A sensação de isolamento que às vezes surge pode ser resolvida com reuniões pessoais semanal ou quinzenalmente, ou até “cafés virtuais” que já estão sendo utilizados para aqueles breves momentos para espairecer no meio do dia.

Colocando todos esses questionamentos na balança, o modelo home office vem sendo comprovado como o futuro do mercado de trabalho no mundo. É claro que algumas profissões que exijam trabalhos físicos ou extrema proteção de dados terão mais dificuldades nesse processo, mas, em geral, expressões como home office, hub, co-working e calls serão cada vez mais frequentes no dia a dia das empresas.

Commentários